O verão é ótimo, mas exige cuidados especiais

Verão. Sol. Calor. Praia. Férias. Calor. E mais calor.

Todo mundo adora, não é? (Bem, quase todo mundo, há os que preferem um friozinho…) É ótimo, mas há cuidados que precisam ser tomados para evitar problemas: insolação, desidratação, queimaduras, picadas de insetos. Cuidados que valem tanto para as pessoas quanto para os animais de estimação.

Aliás, ainda mais no caso dos pets. Os cães, por exemplo, são bem mais sensíveis ao calor do que seus donos humanos. Cachorros têm (quase sempre) muito pelo e seus corpos ficam perto do chão, o que faz com que sintam com muita intensidade o calor refletido das calçadas e pavimentos. Além disso, suas glândulas de suor não ficam, como no nosso caso, espalhadas pelo corpo.

Para perderem calor, nossos pets têm duas regiões: entre os dedos e na região da boca e do nariz. Sua regulação térmica é feita através da respiração -e no caso dos gatos, através das lambidas que os bichanos dão em suas patas e no ventre (a saliva fica retida no pelo, o que ajuda a resfriar o corpo). No calor, tudo fica mais difícil (com animais de focinho curto, como os pugs, isso fica ainda mais difícil).

Há sinais de aviso que a coisa não vai bem: respiração ofegante, batimento cardíaco acelerado, muita salivação, vômito, diarreia, fraqueza, falta de coordenação motora. Nesses casos, é conveniente hidratar os animais com panos úmidos na região dorsal e levá-los ao veterinário.

Mas não se assuste. Existem várias dicas do que fazer para deixar seus pets mais à vontade no calor e evitar problemas. Vejamos algumas:

  • 1. Água fresca, sempre. Nos passeios, leve uma garrafa. Em casa, troque a água constantemente, e se possível, deixei várias vasilhas espalhadas pela casa. Filhotes se desidratam muito rápido: cuidado redobrado com eles.
  • 2. Sombra, sempre, em casa e nos passeios. Pets precisam de sombra para se refrescar.
  • 3. Passear é ótimo, para o pet e para seu dono, mas no verão faça isso antes das 10h, ou depois das 17h. Evite o sol. E cuidado com a temperatura do chão: as “almofadinhas” das patas agradecem… Asfalto quente, então, nem pensar.
  • 4. Sol demais pode queimar a pele do bichinho. Aplique protetor. E evite exposição direta. Animais com pele muito clara estão sujeitos a cânceres de pele. Cuidado redobrado com eles.
  • 5. Nunca, mas nunca mesmo, deixe seu pet sozinho dentro do carro no verão. Em movimento, se puder, ligue o ar-condicionado.
  • 6. Em casa, ou em ambientes fechados, é sempre bom ter ventiladores. Ou ligar o ar condicionado, quando possível. Lugares abafados, não mesmo.
  • 7. Dê alimentos mais úmidos. Na dúvida, consulte seu veterinário. E não exagere na comida.
  • 8. O pelo exige cuidado adicional no verão. Tosas mais curtas são indicadas. O risco com parasitas e dermatites é maior com o calor.
  • 9. Nos dias de muito calor, moderação nas atividades e exercícios.
  • 10. Em viagens prolongadas, pare de vez em quando para que seu pet possa se refrescar.

Enfim, no verão, a atenção com cães e gatos precisa ser maior ainda. Os casos de hipertermia, um aumento excessivo da temperatura do corpo dos pets, chegam a crescer 30% nessa época. Cuidado é bom, e todo mundo gosta. Seus pets, principalmente.